da perfeita imperfeição da vida.

Quando o teu filho fica doente e descobres que a tua mãe faz 250 km para tomar conta dele. Quando sais de casa com atraso mas chegas a horas ao trabalho porque milagrosamente não havia transito. Quando não tiveste tempo de preparar as consultas mas no fim elas correm mesmo bem. Quando deixas o teu filho adoentado com o pai e quando chegas a casa estão os dois a gargalhar de saúde. Quando achas que abraçar dois novos projectos profissionais pode ser areia demais para a tua camioneta, e afinal descobres a tua praia quando eles se concretizam.

Às vezes, é o risco de as coisas darem para o torto que nos faz dar verdadeiro valor a que corram bem. São os dias difíceis que antecedem os dias simples que nos permitem distingui-los. E são as dificuldades do dia-a-dia que nos fazem descobrir os nossos melhores recursos. Obrigada, vida: pelas complicações, pelos azares, pelos obstáculos, que (até agora) nos tens devolvido superáveis. Obrigada vida, pela tua perfeita imperfeição.


últimos posts

Arquivo